Causdequê?: um espaço indeterminado

Alessandra Affortunati Martins Parente, Fabiana Duarte Takiuti

Resumo


O trabalho visa apresentar o projeto Causdequê? que tem lugar na Casa do Adolescente. Trataremos de definir os espaços institucionais como espaços intermediários (Kaës, 2005) propícios à circulação de formas linguísticas que interessam à psicanálise. Delimitar o lugar de escuta sensível a determinadas formas linguísticas exigiu o esforço de distinguir o discurso com o qual a psicanálise se ocupa – o do inconsciente – de outros três modelos linguísticos: o da poesia, o da crítica e o da filosofia. Com exceção da psicanálise, tais gêneros linguísticos foram circunscritos por Giorgio Agamben em alguns capítulos de Estâncias (1977/2007). Desdobrando-os e, ao mesmo tempo, acompanhando a prática clínica do projeto Causdequê? pudemos depurar o local no qual o analista se situa nas instituições: um lugar rente aos espaços quase-vazios. Ali o analista aguça a escuta para vibrações quase mudas da linguagem. Nessa região, é muito comum que identidades sexuais e de gênero assumam um caráter híbrido, pouco condizente com modelos normativos. Nesse contexto, casos atendidos no projeto tornam-se particularmente interessante. Demonstram que, se vividos livremente, desejos ligados a características geralmente atribuídas ao gênero oposto ao sexo "natural" podem retirar armaduras identitárias opressivas. Com isso, modos de ser mulher, ser homem, ser trans, ser gay se moldam pelas singularidades assumidas por cada sujeito. Viver o desejo passa a significar, então, inventar e experimentar histórias e escolhas amorosas pelas quais os sujeitos se tornam responsáveis. 


Palavras-chave


espaço intermediário, sexualidade híbrida, Giorgio Agamben, psicanálise institucional

Texto completo:

PDF