Educação, gestão social e desenvolvimento local: algumas considerações sobre a experiência do MST na luta pela gestão social da escola

Adilene Gonçalves Quaresma

Resumo


Gestão social e desenvolvimento local são categorias cujos sentidos e finalidades podem ser “a favor do social” ou “contra o social”. Tais categorias configuram perspectivas de análise da realidade diferentes, bem como perspectivas de projetos societais divergentes. Partindo desse pressuposto, o texto apresenta a análise sobre a relação entre educação-desenvolvimento local e gestão social da escola na experiência do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Minas Gerais. Resulta de pesquisa realizada no Doutorado[1] no período de 2009 a 2011 e compreendeu uma abordagem qualitativa, com entrevistas, aplicação de questionários e observação de atividades desenvolvidas nas escolas pesquisadas e no assentamento em geral. A análise realizada leva a concluir que, no espaço da implantação do seu projeto de educação, existe uma disputa entre uma concepção de gestão social da escola e da educação defendida pelo MST e o modelo gerencial do Estado, o que se configura como um desafio a ser superado pelo Movimento.

 

Palavras-chave: educação; desenvolvimento local; gestão social; MST.


[1] Projeto aprovado pelo Conselho de Ética na Pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais (COEP/UFMG) sob o número 035/09 em 19.08.2009 e pelo Colegiado do Programa de Pós-Graduação Conhecimento e Inclusão Social da Faculdade de Educação da UFMG, em 30.09.2008.

 


Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br