Adesão a movimentos totalitários e de massas: contribuições da Teoria Crítica da Sociedade

Gustavo Henrique Carretero

Resumo


O artigo tem como referencial a Teoria Crítica da Sociedade nos moldes propostos por T. W. Adorno e H. Marcuse. Foram analisadas três obras de Freud com o objetivo de demonstrar como algumas contradições culturais tornam-se subjetividade na obra desse autor e como algumas de suas formulações antecipam os processos regressivos engendrados nos indivíduos pelo capitalismo monopolista, principalmente o fenômeno das massas. O conceito freudiano de ambivalência emocional serve de subsídio à compreensão da adesão de indivíduos a ideais que lhes seriam contrários. Assim, libido e agressividade são manejadas pela cultura visando à adesão das massas e coletividades. Adorno e Marcuse tomam a psicanálise como instrumento de análise da realidade social e a articulam com suas análises sobre o capitalismo em uma perspectiva marxiana.

Palavras-chave: Indivíduo e sociedade. Cultura. Ambivalência emocional. Teoria crítica da sociedade. Psicanálise.


Palavras-chave


Indivíduo e sociedade. Cultura. Ambivalência emocional. Teoria crítica da sociedade. Psicanálise.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br