Escola e demais redes de proteção: aproximações e atuações (im)possíveis?

Carolina Nascimento Dias, Raquel Souza Lobo Guzzo

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo apresentar e discutir as relações possíveis da Psicologia com a rede de proteção à criança e adolescência por meio do Projeto Ecoar (Espaço de Convivência Ação e Reflexão) e as possibilidades de mediação da escola com as demais redes de proteção. Foram realizadas ações com professores, gestores, crianças, famílias e profissionais da rede e produzidos diários de campo como fontes de informação sobre as ações. Cada diário de campo foi analisado indicando as distintas ações da Psicologia em unidades de sentido, buscando uma narrativa que incluísse a crítica ao contexto da rede e ao papel da Psicologia tendo a escola como referência. Como resultado ficaram evidentes diversas possibilidades de atuação da Psicologia Escolar diante desse cenário, desde que sejam adotadas práticas cooperativas que promovam a crítica à realidade vivida pelas crianças, isto é, ações que dialoguem com demandas da vida concreta.


Palavras-chave


Rede de Proteção. Infância e adolescência. Psicólogo Escolar. Vulnerabilidades.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br