Entrelaçando (im)possibilidades: reflexões sobre a atuação da psicologia social comunitária na atenção primária à saúde

Camila Borges Machado, Lara Brum de Calais

Resumo


O presente trabalho relata a experiência de estágio em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) do município de Juiz de Fora/MG. O objetivo foi analisar a prática da Psicologia Social Comunitária (PSC) e suas (im)possibilidades de ações. No contexto estudado, as estratégias utilizadas foram: sistematização das informações, conversas informais e visitas domiciliares. Tais estratégias, desenvolvidas em conjunto com a equipe e usuários do serviço, se mostraram importantes para o mapeamento do território e no processo de aproximação com os moradores. No que se refere às questões éticas, observou-se a importância em sustentar uma perspectiva crítica da PSC, na tentativa de romper com os padrões hegemônicos da Psicologia. Com isso, observa-se que as estratégias sob a perspectiva crítica podem favorecer ações mais integradas às necessidades da população atendida pela UBS. O estágio apontou questionamentos sobre os modelos de atuação prestados pela Psicologia, abrindo espaço para discutir uma atuação comprometida com a comunidade.


Palavras-chave


Psicologia comunitária. Atenção primária. Formação do psicólogo; Relato de experiência

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br