Sustentabilidade afetiva em situações de vulnerabilidade socioambiental: um problema para as cidades

Gabriela Iamara Lupianhe Pereira, Sonia Regina Vargas Mansano

Resumo


Catástrofes naturais produzem impactos na vida da população, em especial daquela parcela que se encontra em situação de vulnerabilidade. O presente estudo teve por objetivo problematizar as contribuições da Psicologia em relação à vulnerabilidade socioambiental gerada por desastres naturais. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com utilização de casos extraídos de publicações em mídias digitais. Primeiramente, foram investigados os tipos de catástrofes naturais, bem como a noção de vulnerabilidade socioambiental. Em seguida, foi analisado o caso que ficou conhecido como “Megadesastre da Região Serrana do Rio de Janeiro”, ocorrido em 2011. As análises dos documentos de domínio público demonstraram que os processos de desterritorialização e criação de novos territórios acontecem mediante sofrimento e angústia, mas também geram processos de cooperação e conexão. Como conclusão, constata-se que o profissional da Psicologia é chamado frequentemente a intervir nesse tipo de situação, cabendo-lhe realizar um exercício de acolhimento analítico e político das populações atingidas.


Palavras-chave


Vulnerabilidade socioambiental. Desastres naturais. Sustentabilidade afetiva.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br