Afetividade e a politização da dor em territórios de vulnerabilidade social: micropolítica e a produção do cuidado

Karina Rodrigues Matavelli Rosa, Carlos Roberto de Castro e Silva

Resumo


Esta pesquisa buscou compreender a qualidade das relações intersubjetivas que balizam os encontros entre os sujeitos que compõem o campo micropolítico da produção de cuidado à saúde mental em território marcado pela violência, miséria e exclusão. A escolha metodológica a partir da hermenêutica de profundidade possibilitou a reinterpretação das formas simbólicas a partir de três perspectivas: o reflexo da sociedade de mercado na organização dos processos de trabalho em saúde, o sofrimento psíquico à luz do sofrimento ético-político e dos bons encontros e a potência de ação, orientando as práticas em saúde mental. Dessa forma, a amizade e a solidariedade destacaram-se como afetos importantes no processo de politização da dor, do sofrimento psíquico e ético-político experimentado pelos sujeitos em territórios de vulnerabilidade social.


Palavras-chave


Apoio matricial. Saúde mental. Afetividade. Sofrimento ético-político. Dialética exclusão/inclusão.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br