Estresse ocupacional em formadores de professores do ensino básico: estudo com profissionais do Instituto de Formação de Professores Primários de Nampula-Moçambique

Gildo Aliante, Mussa Abacar

Resumo


Este artigo objetivou compreender os fatores do estresse ocupacional em formadores de professores do ensino básico em Nampula-Moçambique e as respectivas estratégias de enfrentamento ao estresse. Trata-se de um estudo exploratório, do cunho qualitativo, que envolveu 20 formadores de professores. A coleta de dados foi por meio de um guião de entrevista semiestruturada e analisados com o recurso da técnica de análise de conteúdo. Os resultados indicam que os formadores investigados sentem-se estressados pelo trabalho e tal estresse ocupacional percebido se deve à falta de material de apoio, à planificação de aulas, à elaboração de exercícios, ao pagamento irregular dos salários e à sobrecarga de tarefas. O estresse sentido pelos formadores gera consequências  em nível pessoal,  organizacional  e familiar. Para fazer face a situações de estresse, os formadores recorrem essencialmente às estratégias paliativas. Esses resultados sugerem a concepção e implementação de programas preventivos e/ou interventivos sobre estresse no trabalho docente, com vista à melhoria e promoção de saúde e bem-estar no trabalho dos formadores.


Palavras-chave


Estresse ocupacional. Doenças profissionais. Saúde do trabalhador. Condições de trabalho.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br