Sobrecarga e rede de apoio: a experiência da maternidade depois da separação conjugal

Valéria Brandão Pereira, Heliane de Almeida Lins Leitão

Resumo


Considerando a experiência da maternidade como um processo psicossocial, este estudo buscou analisar a experiência de mulheres separadas que viviam com seus filhos. Baseou-se em estudos interdisciplinares sobre família, assim como no conceito de provisão ambiental desenvolvido por Winnicott. Seis mães, com filhos com idades entre 1 e 13 anos participaram do estudo. A pesquisa tem caráter qualitativo e focou no relato das mães por meio da realização de entrevistas semiestruturadas, as quais foram submetidas à análise de conteúdo. Constatou-se que o principal impacto da separação na vida das mães é a sobrecarga de atribuições. Como contraponto, observou-se que a rede relacional composta por familiares, amigos e vizinhos representa um importante apoio às mães, auxiliando-as no exercício da função parental. O estudo sugere a ampliação da provisão ambiental de suporte a essas famílias por intermédio do fortalecimento de políticas públicas e programas de assistência.


Palavras-chave


Mães separadas. Maternidade. Processos psicossociais.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br