Educação permanente em saúde mental: o suicídio na agenda do cuidado dos Agentes Comunitários de Saúde

Bruno Gonçalves de Medeiros, Natany de Souza Batista Medeiros, Tiago Rocha Pinto

Resumo


O objetivo desse estudo foi avaliar as atitudes dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) frente ao comportamento suicida antes e depois da capacitação voltada para o manejo de casos com risco suicida. A pesquisa foi desenvolvida no município de Caicó (RN) por ser uma cidade com alto índice de suicídios. Responderam ao Questionário de Atitudes Frente ao Comportamento Suicida (QACS) e a Escala de Atitudes Frente ao Suicídio (EAS) pré/pós-capacitação 38 ACS, com idades entre 27 e 61 anos (M = 38,7, DP = 8,9). Os resultados indicaram que depois da capacitação os ACS apresentaram atitudes mais positivas sobre a capacidade para lidar com os pacientes. As atitudes desfavoráveis em relação ao suicídio anômico foram mais presentes depois da capacitação. Ressalta-se a importância da capacitação dos profissionais com foco no desenvolvimento de atitudes menos moralistas e compassivas.


Palavras-chave


Suicídio. Atenção primária. Agentes Comunitários de Saúde. Prevenção do suicídio.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br