A transdisciplinaridade como perspectiva metodológica para uma clínica das subjetividades

Jose Carlos Chaves Brazao

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar a transdisciplinaridade como uma perspectiva metodológica para se trabalhar na clínica com as subjetividades. Partiremos do princípio que a subjetividade é mutável, sofrendo transformações coextensas às mutações sociais e políticas, de acordo com fatores próprios em cada sociedade. Para acompanhar suas vicissitudes faz-se necessário um método que contemple as exigências da própria demanda, ou seja, que mantenha abertura técnica e teórica a ponto de permitir a espontaneidade subjetiva e a consequente captura do fenômeno. A liberdade na utilização de conceitos, transformando-os em operadores analíticos, é um fator chave nesse método, para tal operação entra em jogo a habilidade do terapeuta. Articularemos o método transdisciplinar com as perspectivas de ciência de Latour e Serres que entendem que o conhecimento científico é efeito da convergência de fatores múltiplos, formando uma rede de geometria variável, encontrando ressonâncias na filosofia de Deleuze.


Palavras-chave


transdisciplinar; metodologia; clínica; subjetividade; epistemologia



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br