Carl Gustav Jung e a Pós-Modernidade: da ultrapassagem hegeliana (aufhebung) à integração junguiana

Michel Maffesoli

Resumo


Este artigo aborda a relação da psicologia analítica com a pós-modernidade, a partir de três pressupostos e consequências: superação do individualismo epistemológico, a progressividade a partir da tradição e colocar em xeque a fé na razão soberana. Para tanto, algumas noções de Jung são fundamentais nesse processo: compensação, sombra e intersignos. Essa passagem do conhecimento pautado no corte para concepções holísticas caracteriza o imanentismo epistemológico, que aponta para a superação da educação pela iniciação, do domínio da natureza para a ecosofia e da lógica da não-contradição para a lógica do contraditorial, de pessoas plurais.


Palavras-chave


Psicologia Analítica; Pós-Modernidade; Tradição.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br