ERA UMA VEZ UMA HISTÓRIA SEM HISTÓRIA: PENSANDO O SER MULHER NO NORDESTE

Ana Karina Silva Azevedo, Elza Maria do Socorro Dutra

Resumo


O presente artigo objetiva problematizar a construção social, cultural e histórica acerca do feminino que delineia modos de ser mulher na nossa sociedade a partir de falas de mulheres nordestinas. Para tanto, utilizaremos trechos de depoimentos de mulheres para subsidiar nossa reflexão sobre a marca da historicidade na construção do ser mulher em nossa sociedade atualmente. Tais trechos de fala são frutos de uma pesquisa com três mulheres sobreviventes de uma tentativa de homicídio de seus parceiros. Estes depoimentos foram gravados, transcritos e foram obtidos em uma entrevista semiestruturada, com uma pergunta que versava sobre o relato dessas mulheres de terem sobrevivido a um crime de violência contra mulher. Percebemos um enraizamento cultural produzido pela hegemonia histórica do patriarcado enquanto lógica de entendimento social sobre os papeis do feminino e do masculino, o qual escreve nos nossos imaginários uma subjetividade do ser mulher e ser homem socialmente.

 

Palavras-chave: mulheres nordestinas; historicidade; feminismo


Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br