Violência conjugal: diferentes olhares epistemológicos e práticas psicoterapêuticas

Ana Paula Sesti Becker, Ana Laura Tridapalli, Simone Dill Azeredo Bolze

Resumo


A violência conjugal é considerada um grave problema de saúde pública e tem deixado de ocupar somente o âmbito privado na realidade doméstica brasileira. Diante dos desafios que a temática apresenta, o objetivo deste artigo teórico é discutir a violência conjugal sob diferentes epistemologias, tais como a Teoria do Apego, Psicanálise e sistêmica. Mais precisamente, pretende-se refletir sobre a formação do vínculo conjugal e relações abusivas, problematizar os conceitos que se referem ao fenômeno da violência conjugal e, por fim, apontar estratégias de intervenção terapêutica com casais que possam contribuir para programas de prevenção da violência conjugal. As discussões contempladas neste estudo evidenciaram as diferenças quanto ao tipo de violência perpetrada entre homens e mulheres; bem como problematizaram a natureza relacional e intergeracional do fenômeno e suas implicações para o desenvolvimento afetivo conjugal. 


Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br