A interseccionalidade na produção científica brasileira

Roseane Amorim da Silva, Jaileila de Araújo Menezes

Resumo


O estudo investigou o uso da interseccionalidade na produção científica, de modo geral, e na psicologia, de modo específico, no que se refere às dissertações, teses e artigos produzidos em diferentes Instituições do Brasil. O estudo foi realizado no segundo semestre de 2018. A busca das dissertações e teses foi realizada através da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações, e dos artigos na base de dados do SciELO - Scientific  Electronic  Library. Na BDTD localizamos 224 produções, 146 dissertações e 78 teses, no Scielo, 65. Vimos que as produções usaram a interseccionalidade de diferentes formas, como estratégia analítica, como uma forma de práxis social, com ênfase para as conexões entre conhecimento e justiça social. As pesquisas que abordaram a  interseccionalidade têm temas diversos, e os métodos de pesquisa são múltiplos. Com esse estudo buscamos ressaltar a potencialidade da interseccionalidade no intuito de visibilizar situações de opressão e desigualdades sociais.


Palavras-chave


interseccionalidade; produção científica

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br