Juventude, Ativismo Político, Políticas Públicas e a confusão que é articular isso tudo

Bruno Vieira dos Santos

Resumo


A despeito de estudos e pesquisas que dicotomizam a participação política juvenil em dois polos opostos – ora participação plena, ora apatia –, o que podemos enxergar além dessa polarização a respeito da participação política juvenil? Partindo-se do entendimento de juventude como categoria social (abordagem de autores/as como Lucia Rabello de Castro, Oscar Aguillera e Ernesto Rodríguez), o artigo pretende discutir como os jovens se articulam politicamente em torno da construção de políticas públicas – entendidas, segundo Ozanira Costa, como o Estado em ação – ou como “uma resposta da administração pública a um tema do interesse do cidadão” (Costa, 2009, p. 34). A partir da perspectiva de José Manuel Valenzuela, aborda como é possível entender o ativismo juvenil como uma ação de enfrentamento ao adultocentrismo.


Palavras-chave


Juventude; Políticas Públicas; Movimentos Ativistas

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br