O Retrato de Dorian Gray: uma possível análise junguiana a partir do arquétipo do Puer aeternus.

Paulo Ferreira Bonfatti

Resumo


O objetivo deste artigo é contribuir para a compreensão da dinâmica psicológica de Dorian Gray, protagonista do romance O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde, a partir da teoria junguiana. Dentro da trama da obra, tenciona-se depreender esse personagem com base no conceito do arquétipo do Puer aeternus —  entendido como o adulto que quer ser uma eterna criança, permanecendo para sempre jovem e não querendo crescer. Essa perspectiva considera que o arquétipo do Puer e suas manifestações podem ser vistos não só na psicologia clínica contemporânea como também em diversas outras expressões arquetípicas, como a literatura. Na análise do drama desse personagem, perceber-se-á o caráter inescapável de seu fim trágico, considerando-o capturado por essa dinâmica psíquica do Puer aeternus ao tentar negar a passagem do tempo, o envelhecimento, o amadurecimento, os estabelecimentos de vínculos afetivos e suas relações com o mundo.

 

 


Palavras-chave


Psicologia junguiana; Puer aeternus; Dorian Gray; Literatura; Oscar Wilde.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br