Sobre a enunciação de mulheres não brancas na ciência: uma análise da produção intelectual de Glória Anzaldúa e bell hooks

Tayane Rogeria Lino, Andréa Moreira Lima, Thais Francielle Alves

Resumo


O presente trabalho busca investigar a fala/silêncio de mulheres de cor na produção científica, e estabelecer uma discussão em torno do lócus enunciativo do sujeito subalterno na vida social contemporânea, no campo científico. Foram analisados os textos “Intelectuais Negras” de bell hooks e “Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do Terceiro Mundo” de Gloria Anzaldúa. Também foram tomadas as contribuições de Gayatri Spivak (2010) no texto “Pode o subalterno falar”. As análises apontaram que as teóricas estudadas buscam novas estratégias epistemológicas e estabelecem um diálogo crítico com distintas correntes do pensamento. As mulheres, até agora produzidas como objetos do saber, reclamam a produção de um saber local, sobre si mesmas. Assim, transitam entre o silêncio e a fala, entre a ausência de uma produção audível e a denúncia de uma história invisível numa ciência imperialista.


Palavras-chave


Mulheres; Ciência; Subalternidade; Feminismo; Experiência.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br