CONTRIBUIÇÕES DO MODELO FEMINISTA NOS ESTUDOS DA DEFICIÊNCIA PARA UMA PERSPECTIVA DE PRÁTICA INCLUSIVA EDUCACIONAL BASEADA NA INTERDEPENDÊNCIA .

Gabriela Vieira de Abreu, Janaína Mariano César, Marcia Roxana Cruces Cuevas

Resumo


Este trabalho visa problematizar a relação entre deficiência e educação, a partir dos processos de construção de uma Educação Inclusiva. A pesquisa foi realizada com educadoras(es) que atuam na interface da Educação “Especial” e da Educação para Jovens e Adultos/EJA, e com os(as) quais exercitamos práticas de conversa na Formação Continuada no município de Vitória/ES. Realizamos um pesquisarcom em que assumimos o trabalho implicado na produção dos dados. Trabalhamos com os diários de pesquisa. Como interlocutores destacamos as contribuições do Modelo Feminista para os Estudos da Deficiência, buscando observar a diretriz ética do lema “nada sobre nós, sem nós” e o princípio da interdependência. Por fim, ao discutirmos com táticas de trabalho cotidianas, esta pesquisa aponta para o exercício ético-político que envolve o cultivo da interdependência como modos de acesso e afirmação de práticas inclusivas.


Palavras-chave


MODELO FEMINISTA; DEFICIÊNCIA; EDUCAÇÃO; INTERDEPENDÊNCIA.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br