Alta e cuidado no Caps I: o que mostram os prontuários?

Carina Furlaneto Frazatto

Resumo


Neste artigo, discute-se o cuidado efetivado em um Centro de Atenção Psicossocial I (Caps I), localizado em um município paranaense. Para tanto, realizou-se o levantamento de dados em prontuários de usuários que receberam alta em 2015 e foram acompanhados por períodos de um até 11 anos. Como resultado, identificou-se que o processo de cuidado envolveu um amplo conjunto de intervenções, porém os critérios para alta mantiveram-se restritos à melhora dos sintomas. Observou-se que, após ingressar no Caps, o índice de internação psiquiátrica dos usuários é muito baixo, mas, antes disso, o histórico de internação no hospital psiquiátrico esteve presente em cerca de metade dos casos. Constatou-se, portanto, possibilidades e fragilidades do Caps em se constituir como um serviço substituto ao hospital psiquiátrico. E, por fim, problematizou-se o conceito e a prática da alta nos Caps.


Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br