Entre apagamentos e afirmações: reposicionamentos do trabalho e da deficiência

Maudeth Py Braga, Marcia Oliveira Moraes

Resumo


O artigo objetiva discutir efeitos da reforma trabalhista no Brasil, em 2017, na relação deficiência e trabalho. Adotamos como questões: Quais são os reposicionamentos que a multifuncionalidade do trabalhador, marca da especialização flexível, coloca para o modelo social da deficiência? E quais reposicionamentosestão colocados com o modelo social da deficiência, nas pistas de Débora Diniz, Marcia Moraes e Anahi Mello?Com base numa pesquisa documental e bibliográfica, colocamos em cena o apagamento do trabalho no cenário brasileiro atual, com as leituras de David Harvey e Ricardo Antunes.A Carteira de Trabalho foi tomada como um analisador, pela escrita de Simone Guedes.A condição de contribuinte passa a ser determinante com a versão digitalnas pactuações e contratações de trabalho, cada vez mais precárias.Junto com a “pejotização”, cresceo trabalho informal e a marca do trabalho doméstico: a invisibilidade.O que apagamos e afirmamos com nossas escritas de pesquisa?


Palavras-chave


Deficiência. Reforma trabalhista. Modelo social da deficiência

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br