História das Santas Casas na Assistência à Saúde Mental mineira no século XIX

Aline Moreira Gonçalves, Maria Stella Brandão Goulart

Resumo


 

 O presente artigo buscou investigar a participação das Santas Casas de Misericórdia na assistência aos alienados em Minas Gerais, no século XIX. Para isto, foi realizado o levantamento das Santas Casas de Misericórdia, identificando aquelas que assistiram os “alienados” no período enfocado, de modo a retomar o processo histórico de constituição da assistência em Minas Gerais. As Santas Casas existentes no Brasil e em Minas Gerais tiveram um papel ativo desde o início do período colonial no acolhimento aos sujeitos com agravos à saúde ou com alguma queixa social. Concluiu-se que, entre as 24 Santas Casas apontadas pela literatura, há informação de que somente as Santas Casas de São João del-Rei e a de Diamantina realizaram atendimento relevante aos alienados. A Santa Casa de Caridade de Diamantina, inclusive, chegou a criar o Hospício da Diamantina, que funcionou entre os anos de 1889 e 1906. A “Misericórdia”, no processo de acolhimento aos alienados em Minas Gerais, se deu de forma muito específica, operando por meio da presença de Irmãs de Caridade e de suas práticas, mas também por meio da prática de leigos, no diálogo com premissas cristãs de “Caridade”. Identifica-se a relevância da discussão do legado religioso, privado, na constituição dos primeiros desenhos de políticas no campo da Psiquiatria clássica. Palavras-chave: Santas Casas, Assistência a alienados, Saúde mental, Psiquiatria. 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.