As adicções: de que se trata?

Alexandra de Gouvêa Vianna, Ariadne Fantesia de Jesus, Yago Pereira de Freitas

Resumo


Abordaremos no artigo a temática do consumo abusivo de substâncias psicoativas, sejam elas lícitas ou ilícitas, tendo como base teórica textos psicanalíticos. Contamos com a contribuição da equipe e de alguns dos pacientes do Projeto Despertar – voltado ao atendimento de usuários abusivos de álcool e outras drogas –, do núcleo de assistência em saúde mental Casa Verde, localizado no bairro de Botafogo, Rio de Janeiro. Após a visita ao Projeto Despertar, debruçamo-nos em uma investigação bibliográfica com o intuito de trazer uma contribuição teórica à clínica das adicções. Trabalharemos a importância da escuta do que está por trás do tipo de relação destrutiva com a droga, como a precariedade dos laços sociais nessa clínica: família, escola, faculdade, trabalho. Uma das funções da droga é encobrir o embaraço do sujeito de sustentar seu desejo. Ao fim, levantamos a hipótese de que as adicções podem manifestar um modo de resposta do sujeito às novas formas de subjetivação da atualidade. Discutiremos, ainda, os desafios que se atrelam a essa clínica.

Palavras-chave: Drogas. Psicanálise. Mal-estar na contemporaneidade. Adicção. Toxicomania. Compulsão. Laço social. Eu ideal. Ideal do eu e supereu.


Palavras-chave


Drogas. Psicanálise. Mal-estar na contemporaneidade. Adicção. Toxicomania. Compulsão. Laço social. Eu ideal. Ideal do eu e supereu.

Texto completo:

PDF