A religião como ilusão em Freud/Religion

Samuel Franco dos Santos

Resumo


Em sua interpretação do fato religioso, Freud utiliza de dois modelos hermenêuticos tirados da clínica psicanalítica: Neurose e o Sonho. Como neurose, a religião é concebida como a neurose universal da humanidade e relacionada ao remorso pelo assassinato do pai primevo, ou seja, ela, a religião, é uma tentativa de resolver o problema do sentimento de culpa decorrente da ambivalência afetiva em relação ao pai. Como ilusão, a religião, tem a ver com a nostalgia do pai protetor. Este artigo propõe discutir e apresentar a religião em Freud dentro do modelo hermenêutico da ilusão. O autor conclui que, para a psicanálise, o importante é compreender os motivos latentes de nossas crenças e descrenças religiosas. Todo discurso, incluindo a religioso, é um discurso humano que, independentemente de ser neurótico ou sublime, está submetido à determinações inconsciente.


Palavras-chave


Religião; ilusão; psicanálise

Texto completo:

PDF