A comédia dos sexos nas parcerias amorosas

Renata Damiano Riguini, Ilka Franco Ferrari

Resumo


Neste artigo pretendemos abordar, a partir da psicanálise de orientação lacaniana, a comédia dos sexos tal como ela nos retorna via senso comum. Nossa intenção é ler, no saber do cotidiano, encontrado na internet e nas tiradas de humor, as formulações lacanianas sobre as tábuas da sexuação, consequentemente, sobre o que é ser homem e o que é ser mulher, ou seja, sobre o masculino e o feminino. Nesse percurso, Freud não será esquecido, pois, desde 1907, no texto Delírios e sonhos na Gradiva de Jensen, já nos dizia que os escritores criativos são aliados valiosos e testemunhas de vasta gama de coisas entre o céu e a terra. Também em suas formulações sobe o Édipo, compatíveis com sua experiência clínica, ele percebia que a diferença anatômica impunha diferenças psíquicas à medida que a referência ao órgão dá lugar à constituição subjetiva e à forma de distribuição de gozo. Veremos, ao longo deste trabalho, como nos encontros e desencontros amorosos, mediados pelo falo, encontraremos a comédia.

Palavras-chave


Falo; parceiro; comédia; sexuação; gozo.

Texto completo:

PDF