O gozo, a substância lacaniana e o corpo incorpóreo

Allan Martins Mohr

Resumo


A partir da pergunta sobre o gozo, esse artigo tenciona elaborar um percurso de estudo para compreender o referido conceito no ensino lacaniano, mais propriamente em dois momentos de sua construção, a saber: o ano letivo de 1966-1967 e o ano letivo de 1972-1973. Com essa proposta em mente, o objetivo deste trabalho é apreender o conceito de gozo em sua relação íntima com as noções de substância e de corpo incorpóreo. Além disso, percorrer brevemente uma tentativa de entendimento acerca do gozo do Outro e do gozo fálico. Ao final, pode-se afirmar que o conceito de gozo não pode ser reduzido à pulsão freudiana, possui características tais quais a ousia aristotélica, pode ser lido a partir da luta do mestre e escravo hegeliana, pode ser vinculado à ideia do gozo de Deus e sua substância se distingue das substâncias cartesianas – coisa pensante, coisa extensa e coisa divina.

Palavras-chave


Psicanálise. Gozo. Corpo. Substância gozante.

Texto completo:

PDF