Édipo, sonho de Freud

Paulo Eduardo Viana Vidal

Resumo


O presente artigo visa a demonstrar como o ensino de Lacan questiona os mitos freudianos sobre o pai, notadamente o mito do assassinato do pai da horda primeva em Totem e Tabu. Na sua releitura de Freud, Lacan chega a dizer que Édipo é um sonho de Freud. Exploramos no artigo os passos dessa interpretação lacaniana do Édipo freudiano, que vão da formalização do Édipo como metáfora paterna, instauradora do Nome-do-Pai, à pluralização dos nomes do pai. Concluímos que essa interpretação tem como efeito uma relativização ou mesmo declínio do pai na psicanálise.

Palavras-chave


Pai da horda; metáfora paterna; Nome-do-Pai; ponto de basta; nomes do pai

Texto completo:

PDF