Análise das áreas queimadas na porção nordeste do bioma Cerrado no ano de 2013

Raquel de Cássia Ramos, Francielle da Silva Cardozo, Paula Resende Santos

Resumo


As queimadas representam um sistema de manejo ainda muito empregado no campo, principalmente no Brasil.  Esta prática constitui um obstáculo para a conservação de um dos mais importantes biomas, o Cerrado. O estudo demonstra a intensa antropização já ocorrida na região sul do estado do Maranhão que engloba o Cerrado, em que grande parte do seu bioma vem sendo atingida com a prática da queimada para dar origem a enormes áreas destinadas à monocultura da soja. Portanto, uma das técnicas utilizadas para identificar esses alvos consistiu do uso do Modelo Linear de Mistura Espectral (MLME), que representa a mistura espectral dos alvos em cada pixel. Assim, duas imagens do sensor Operational Land Imager (OLI) foram inseridas no aplicativo de geoprocessamento SPRING, onde foi aplicado o MLME. Posteriormente, as imagens fração sombra resultantes foram segmentadas com o intuito de gerar polígonos espectralmente homogêneos. Os polígonos de áreas queimadas foram agrupados e associados em uma categoria temática, e posteriormente uma edição manual foi realizada com o intuito de minimizar possíveis erros de inclusão e omissão decorrentes da classificação, permitindo um mapeamento com maior acurácia. Os resultados demonstram que do total de polígonos mapeados (1.059), aproximadamente 86% das áreas queimadas ocorrem em polígonos com tamanho de até 200 hectares. A área total queimada (1.396 km²) indica que uma parcela considerável do bioma Cerrado foi substituída por extensas áreas monocultora de soja.


Palavras-chave


Sensoriamento remoto, queimadas, mapeamento.

Texto completo:

PDF