Análise da frequência da incidência de queimadas na América do Sul para o período de 2000 a 2012

Paula Resende Santos, Ana Cláudia de Mello Silvério, Gabriel Pereira, Leonardo Cristian Rocha, Francielle da Silva Cardozo

Resumo


A queimada é um problema comum no globo, uma vez que atualmente esta atividade é utilizada para a expansão agrícola e conversão de usos do solo. O continente Sul Americano contribui significantemente para o total de focos detectados no mundo, principalmente pela falta de políticas públicas para o controle e prevenção de incêndios e pela estação seca bem definida no interior da bacia amazônica. Neste contexto, o uso de ferramentas de processamento digital de imagens (PDI) constitui um método eficaz e barato para quantificar e analisar a distribuição espacial dos focos, principalmente em escala continental. Desta forma, este trabalho tem como objetivo principal analisar a incidência de áreas queimadas na América do Sul no período compreendido entre 2000 e 2012, assim como, relacionar ao total de focos detectado no Globo e na América do Sul. Os resultados indicam que, no período estudado, a América do Sul corresponde por aproximadamente 16% dos focos ocorridos em todo o Globo, sendo que o maior número de incêndios na América do sul foi identificado no ano de 2007, influenciado principalmente pela pluviosidade atípica da Amazônia (anomalia negativa). Notou-se que a maior incidência dos focos é recorrente à região central do Continente, sendo a floresta tropical e o cerrado Brasileiro as áreas mais atingidas pelos incêndios na América do Sul.

Palavras-chave


Queimadas; MODIS; sensoriamento remoto.

Texto completo:

PDF