A RELAÇÃO MÃE-FILHA EM “SONATA DE OUTONO”: CONSIDERAÇÕES PSICANALÍTICAS

Maria Lúcia Mantovanelli Ortolan, Patrícia Sayuri Nakano, Sandra Aparecida Serra Zanetti, Maíra Bonafé Sei

Resumo


Este trabalho se propôs a investigar, com base na Psicanálise, os encontros e desencontros da relação mãe e filha, dando enfoque ao processo de indiferenciação e diferenciação entre elas, a partir do filme “Sonata de Outono”. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com base na análise de filmes num enfoque de Psicanálise. Os dados foram coletados por meio da observação indireta e não participante, com registros de falas das personagens. O critério de escolha do filme deu-se pela articulação deste com alguns aspectos da temática da relação mãe-filha. Os resultados desta pesquisa indicam que pode haver um movimento da mãe abandonar a filha e esta desenvolver uma propensão em querer ser cuidada, insatisfeita quanto ao que a mãe pôde oferecer a ela, pois se entende que, paradoxalmente, a filha precisa da mãe para poder separar-se dela. No filme analisado, a dupla mãe e filha transitou ao longo da vida constituindo um dueto inseparável e ao mesmo tempo distante que parece não ter permitido à filha uma vida satisfatória. 


Palavras-chave


Relação mãe-filha. Sonata de Outono. Psicanálise.

Texto completo:

PDF