O sujeito e a musicalidade da fala

Daniela Scheinkman Chatelard, Letícia Maria Soares Ferreira

Resumo


RESUMO

 

Procura-se abordar neste trabalho as questões relativas à musicalidade da fala. O sujeito se faz diante do limite imposto pelo interdito simbólico, mas,  no canto de sua fala, se coloca para além dos significados das palavras. A prosódia da fala, com sua musicalidade e entonação, destaca um valor não linguístico e transmite o desejo, deixa de fora a dimensão de sentido e transparece o que com palavras não pode ser dito. A musicalidade seria aquilo que escapa à censura e torna suportável a dívida simbólica. Aposta-se que a possibilidade do retorno ao sem sentido, à voz perdida no encontro com o simbólico, por meio da condição musical da fala, sobretudo no processo analítico, pode revelar algo sobre o funcionamento do sujeito. Enquanto cantarola em sua fala, ele se faz ouvir na sua posição subjetiva por esses vestígios musicados.


Palavras-chave


musicalidade da fala, voz, psicanálise, clínica