Perfil de idosas que sofreram quedas em uma instituição de longa permanência

Marina Celly Martins Ribeiro de Souza, Tatiane Géa Horta Murta, Maria Luciene Guimarães, Mara Martins Ribeiro

Resumo


A queda em idosos é considerada importante problema de saúde pública devido a sua frequência, morbidades associadas e elevado custo social e econômico, ocasionando aumento da dependência e o início da vida em uma instituição asilar. Trata-se de um estudo de caráter exploratório, descritivo, com o objetivo de identificar o perfil das idosas que sofreram quedas no ano de 2010 e as principais repercussões pós-quedas sofridas entre idosas que vivem numa instituição de longa permanência em Belo Horizonte, Minas Gerais. A coleta de dados ocorreu no mês de dezembro de 2010, utilizando-se os registros de quedas no prontuário das 18 idosas no período de novembro 2009 a novembro de 2010. Os resultados apontam que 38% das idosas sofreram quedas, com uma média de idade de 79,8 anos. A maior ocorrência de eventos foi no quarto (38,9%); em seguida, no pátio (22,2%) e no refeitório (22,2%). Em relação às consequências das quedas, 72,2% das idosas sofreram escoriações e 5,6% sofreram fraturas. Conclui-se que a prevalência de quedas entre as idosas é alta, embora alguns dos possíveis fatores associados às quedas sejam passíveis de prevenção.

Descritores: Idosos; Acidentes por quedas; Saúde do idoso institucionalizado; Instituição de longa permanência para idosos; Envelhecimento.

 


Palavras-chave


Idosos; Acidentes por quedas; Saúde do idoso institucionalizado; Instituição de longa permanência para idosos; Envelhecimento;Enfermagem

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19175/recom.v0i0.190

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175