Saúde, espiritualidade e o deus de Espinosa

Agnes Claudine Fontes De La Longuiniere, Alba Benemérita Alves Vilela, André Souza dos Santos, Vital Ataíde da Silva, Sérgio Donha Yarid

Resumo


Objetivo: O objetivo desta reflexão teórica é analisar a aproximação da
definição que se tem atualmente de Espiritualidade e a definição de Deus para o filósofo Espinosa. Método: Trata-se de uma reflexão teórica em que, seguindo o conceito de Deus, trazido por Espinosa em sua obra Ética, foi realizada uma aproximação deste conceito com a Espiritualidade e seus impactos para a saúde da população. Resultados: O conceito de espiritualidade vem se modificando ao longo da história, sendo, nos dias atuais, defendido como uma dimensão inerente ao ser que se manifesta na forma em que ele se relaciona consigo mesmo, com o outro e com a natureza. As questões relacionadas à dimensão espiritual e religiosa sempre fizeram parte dos questionamentos dos filósofos que, ao longo dos tempos, tentaram explicar a existência de Deus e de que modo a relação com o sagrado influenciava o modo de vida das pessoas. Espinosa se destaca, nesse cenário, ao trazer uma definição de Deus que se contrapõe à defendida pela teologia judaico-cristã de sua época. Ele traz uma concepção de Deus imanente, infinito e é causa, não transitiva, de todas as coisas. Assim, Deus é natureza e tudo o que existe está em Deus e Deus está em tudo. Conclusão: Sendo parte da substância infinita de Deus, somos compostos de atributos, como extensão (corpo) e pensamento (alma), sendo assim constituídos de corpo e alma que são inseparáveis, ambos são parte de uma mesma e única substância. Dessa forma, a vivência da espiritualidade pode afetar positivamente o corpo que, em consequência, influenciará a alma. A partir dessa aproximação mente e corpo, Espinosa demonstra a potência pensante da alma, que percebe a existência de seu corpo pela compreensão de suas afecções.

Palavras-chave


Espiritualidade. Religião. Natureza. Filosofia.

Texto completo:

PORT ENG


DOI: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v9i0.2640

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175