Enfrentamento de mulheres que vivenciaram o câncer de mama

Ana Paula Alonso Reis, Marislei Sanches Panobianco, Clícia Valim Côrtes Gradim

Resumo


Objetivo: conhecer as mulheres que recebem o diagnóstico do câncer de mama. Método: Estudo qualitativo que utilizou, como
referencial teórico, o Interacionismo Simbólico e como metodológico, a Teoria Fundamentada em Dados. Foram entrevistadas
treze mulheres em quimioterapia, de um município mineiro, no mês de janeiro de 2014 e, após a análise, surgiu a teoria “Para
vivenciar o câncer de mama é necessário que haja um enfrentamento”. Resultados: a metodologia permitiu a discussão em três
categorias para debate da teoria, sendo elas: recebendo a notícia do diagnóstico e da necessidade dos tratamentos; adaptação ao
tratamento; experiências anteriores frente à doença. Verificamos que o enfrentamento surgiu, em todas as etapas da doença,
como forma de superar os tratamentos e os aspectos sociais que o câncer trás. Conclusão: A teoria construída neste estudo
demostra que a mulher que vivencia o câncer de mama utiliza-se de aspectos de resiliência para enfrentar a sociedade, da família
para oferecer suporte e de aspectos da experiência de vida. Este estudo contribui para impulsionar mudanças, transformações e
inovações, tanto em nível pessoal, como profissional e institucional na assistência a essas mulheres.

Palavras-chave


Neoplasias da mama; Diagnóstico; Enfermagem.

Texto completo:

PORT ENG


DOI: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v9i0.2758

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175