Desafios e contribuições da Pós-Graduação Stricto Sensu em Enfermagem para a formação de enfermeiros pesquisadores

Eliete Albano de Azevedo Guimarães, Tarcísio Laerte Gontijo, Samuel Barroso Rodrigues

Resumo


O país hoje conta com 75 programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Enfermagem, credenciados pela CAPES, sendo 42 cursos de Mestrado Acadêmico, 24 Cursos de Doutorado e nove na modalidade de Mestrado Profissional. No estado de Minas Gerais, existem apenas cinco cursos de Mestrado Acadêmico em Enfermagem (UFMG, UFTM, UFJF, UFSJ e UNIFAL) e um curso de Doutorado em Enfermagem (UFMG), número insuficiente para a formação de enfermeiros pesquisadores no Estado.
Entre as dificuldades e preocupação com a área, destaca-se a sustentabilidade desses Programas, pelo fato, principalmente, de ausência de financiamento regular. De forma equivalente à necessidade de estabelecimento de um orçamento condizente à promoção da pesquisa, de forma expansiva e equânime, salienta-se a importância de se incitar a reflexão dos valores agregados à autoridade da prática investigativa e do saber científico na transformação da prática social. Neste ínterim, o desenvolvimento sustentável de Programas de Pós-Graduação em Enfermagem é imprescindível para a formação de enfermeiros pesquisadores capazes de produzir e disseminar conhecimento quanto à diversidade, ao livre debate de ideias, à elevação da qualidade de vida e saúde e à efetivação do exercício da cidadania.



DOI: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v9i0.3602

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175