Influência da satisfação acadêmica na comunicação de enfermeiros

Francine da Costa Alves, Ana Claudia Giesbrecht Puggina

Resumo


Objetivos: Correlacionar a satisfação acadêmica com a comunicação interpessoal do enfermeiro; associar as características sociodemográficas e profissionais com a comunicação interpessoal do enfermeiro. Método: Estudo analítico transversal. Utilizou-se a Escala de Satisfação com a Experiência Acadêmica de Estudantes do Ensino Superior; a Escala de Competência em Comunicação Interpessoal e a Escala sobre Profissionalismo e Competência em Comunicação Interpessoal Enfermeiro e Paciente. Resultados: Participaram 397 enfermeiros. Enfermeiros com menor tempo de formação, mais jovens e católicos, demonstraram mais disponibilidade nas relações; os que estudaram em instituições públicas mostraram mais habilidade para expressar sentimentos; aqueles que não tinham formação prévia na área de enfermagem foram mais capazes de demonstrar compreensão e perceber o que as pessoas sentem; tanto aqueles que se declararam católicos quanto sem religião referiram ter mais sinceridade nas relações enfermeiro-paciente. Conclusões: Quanto mais satisfeitos com a experiência acadêmica, melhor é a comunicação interpessoal do enfermeiro.

Palavras-chave


Relações Interpessoais; Profissionalismo; Educação em Enfermagem.

Texto completo:

PORT ENG


DOI: https://doi.org/10.19175/recom.v11i0.4000

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175