Avaliação da qualidade de vida de mulheres idosas na comunidade

Gerson Souza Santos, Isabel Cristina Kowal Olm Cunha

Resumo


Qualidade de vida na velhice e feminização da velhice são fenômenos que chamam a atenção de demógrafos, geriatras e gerontólogos sociais. O objetivo deste estudo foi avaliar a qualidade de vida de mulheres idosas cadastradas em uma Unidade Básica de Saúde do município de São Paulo. Trata-se de um estudo de abordagem quantitativa, no qual participaram 211 mulheres idosas. Foram coletados dados sociodemográficos e aplicação do instrumento Whoqol-Old para avaliação da qualidade de vida. As idosas que participaram deste estudo eram em sua maioria, idosas jovens na faixa etária de 60 a 69 anos (p valor <0,001), afrodescendentes (p valor <0,001), sem cônjuge (p valor <0,001), vivendo em lares multigeracionais, analfabetas, aposentadas, com renda mensal de 1 a 3 salários mínimos, pouco acesso ao lazer, inatividade física, dependentes do Sistema Único de Saúde para tratamento de doenças crônicas: hipertensão arterial e Diabetes. Observou-se que na avaliação da qualidade de vida, as facetas intimidade (média 11,6) e (DP 4,6) e atividades presente, passadas e futuras (média 11,7) e (DP 11,5) obtiveram os piores escores de qualidade de vida. Concluiu-se que a avaliar a qualidade de vida das mulheres idosas é fundamental para o cuidado a este seguimento crescente no Brasil. Descritores: Qualidade de vida; Enfermagem; Idosos.


Palavras-chave


Qualidade de vida; Enfermagem; Idosos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19175/recom.v0i0.593

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175