Prática da episiotomia no parto: desafios para a enfermagem

Kelen da Costa Pompeu, Juliane Scarton, Luiza Cremonese, Rosiele Gomes Flores, Maria Celeste Landerdahl, Lúcia Beatriz Ressel

Resumo


Objetivo: identificar o conhecimento de puérperas sobre a episiotomia e como se deu a realização dessa prática no parto. Método: trata-se de uma pesquisa do tipo descritiva, com abordagem qualitativa, realizada em um hospital no Rio Grande do Sul. As informantes foram oito puérperas que vivenciaram o parto vaginal com episiotomia. Na coleta de dados, utilizou-se a técnica de entrevista semiestruturada com posterior análise temática. Resultados: apontam para a falta de esclarecimento e o desconhecimento das participantes quanto ao termo episiotomia, fatores que podem influenciar o evento do parto e, ainda, a violência de gênero que ocorre nas instituições de saúde, como a violência obstétrica, a qual está perpetrada nas maternidades e, muitas vezes, não é percebida por quem as pratica e, também, por quem sofre essa violência. Conclusão: Foi possível perceber que as participantes possuem poucas informações sobre a episiotomia e notou-se que o desconhecimento das mulheres sobre essa prática é fator que contribui para a realização rotineira desse procedimento.


Palavras-chave


Episiotomia; Enfermagem; Parto; Parto humanizado

Texto completo:

Port Eng


DOI: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v7i0.1142

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175