Alta exigência no trabalho e alto risco cardiovascular em funcionários de uma universidade pública

Helena Chaves Xavier, Eduardo Caires Damasceno, Salete Maria de Fátima Silqueira, Adriano Marçal Pimenta, Fernando Luiz Pereira de Oliveira

Resumo


Objetivo: Estimar a associação entre a alta exigência no trabalho e o elevado risco cardiovascular. Métodos: Estudo epidemiológico transversal, desenvolvido com 211 trabalhadores do campus saúde de uma universidade pública do Estado de Minas Gerais. A alta exigência no trabalho foi definida com base no modelo demanda-controle de Karasek, enquanto o elevado risco cardiovascular, a partir do escore de Framingham. A associação entre a alta exigência no trabalho e o elevado risco cardiovascular foi estimada pela Razão de Prevalência (RP) e seu Intervalo de Confiança de 95% (IC 95%), ajustada por potenciais fatores de confusão e calculada por meio da regressão de Poisson. Resultados: A alta exigência no trabalho e o elevado risco cardiovascular estavam presentes em 28,4% e 28,0% dos participantes. Após a análise multivariada, a alta exigência no trabalho manteve-se associada ao elevado risco cardiovascular (RP = 3,73; IC 95%: 1,43-9,77). Conclusão: A prevalência do elevado risco cardiovascular foi alta nos trabalhadores expostos ao estresse psicoemocional no ambiente de trabalho. Portanto, esse achado deve ser considerado nas discussões sobre melhoria da qualidade de vida e na promoção da saúde dos trabalhadores, com modificações no processo e nas relações de trabalho.


Palavras-chave


Condições de trabalho; Estresse psicológico; Obesidade abdominal; Doenças cardiovasculares; Enfermagem

Texto completo:

Port Eng


DOI: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v7i0.1328

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175