Perfil epidemiológico da mortalidade por causas externas entre beneficiários de planos de saúde no Brasil

Josemar Batista, Mayckel da Silva Barreto, Maria de Fátima Garcia Lopes Merino, Nathalia Vasconcelos Fracasso, Vanessa Denardi Antoniassi Baldissera

Resumo


Objetivos: descrever o perfil epidemiológico e a distribuição dos óbitos notificados por causas externas em beneficiários de planos de saúde no Brasil entre os biênios 2006-2007 e 2008-2009. Método: estudo epidemiológico e descritivo, cujos dados foram acessados no Sistema de Informações sobre Mortalidade em Saúde Suplementar em janeiro de 2016. Foram analisados por estatística descritiva, variações percentuais e razões de proporção entre os biênios. Resultados: evidenciou-se a notificação de 19.514 óbitos, no período 20062007 e 20.796 entre 2008-2009, com características similares, segundo as variáveis sociodemográficas, sendo que os óbitos ocorreram, principalmente, entre homens em idade produtiva (20 e 59 anos de idade) nos dois biênios (72,75%; 71,61%). Os óbitos por causas acidentais (transporte, quedas, afogamentos/submersões) foram prevalentes nos períodos (51,17%; 51,28%). Os registros de óbitos por causas externas entre beneficiários de planos de saúde se reduziram no Brasil, passando de 8,73% em 2006-2007 para 8,35% em 20082009, com variação percentual negativa de -4,35. Entretanto, aumentaram as notificações relacionadas com as quedas e lesões autoprovocadas (variação percentual positiva de 9,63 e 2,32, respectivamente). Conclusão: observou-se alteração da distribuição espacial dos óbitos por causas externas entre beneficiários de planos de saúde, permitindo análises para subsidiar medidas preventivas.

Palavras-chave


Mortalidade; Causas externas; Saúde suplementar; Epidemiologia; Sistemas de informação.

Texto completo:

PORT ENG


DOI: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v8i0.1870

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175