Hepatite B: percepção de risco e adoção de medidas de biossegurança por manicures/pedicures de Itaúna-MG

Juliano Teixeira Moraes, Flávia Isabela Barbosa, Tassiana Rosária Soares Costa, Adan Finamor Ferreira

Resumo


Trata-se de um estudo quantitativo, transversal, exploratório, descritivo e observacional que teve como objetivo analisar a percepção de risco de contaminação com o vírus da hepatite B (HBV) e a adoção de medidas de biossegurança dos manicures e pedicures do município de Itaúna-MG . A pesquisa foi realizada partindo-se do número total de salões de beleza que possuem alvará de funcionamento junto a Secretaria Municipal de Saúde. O cálculo amostral forneceu um número de 127 estabelecimentos que foram selecionados de forma aleatória através de sorteio, onde apenas um profissional de cada estabelecimento participou da pesquisa. Os dados foram obtidos através de questionário estruturado e os resultados mostraram que 79,5% dos profissionais afirmaram conhecer as formas de transmissão do HBV, contudo, houve considerável falta de adesão ao uso de luvas descartáveis (87,4%) e apenas 1,1% dos profissionais que utilizavam estufa seguiram a relação adequada de tempo e temperatura necessária para esterilização efetiva. Percebeu-se um desconhecimento sobre a importância do esquema vacinal completo para a hepatite B. Concluímos que a percepção de risco dos manicures e pedicures com relação à contaminação com o HBV é falha, evidenciando a necessidade da elaboração de cursos de capacitação que promovam uma maior conscientização sobre biossegurança nestes profissionais.


Palavras-chave


Hepatite B; centros de embelezamento e estética; biossegurança

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19175/recom.v0i0.225

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175