Fatores associados ao risco de alterações no exame citopatológico do colo do útero

Angélica Atala Lombelo-Campos, Felipe Silva Neves, Kristiane de Castro Dias Duque, Isabel Cristina Gonçalves Leite, Maximiliano Ribeiro Guerra, Maria Teresa Bustamante Teixeira

Resumo


Objetivo: Analisar os fatores associados ao risco de apresentar alterações no exame citopatológico do colo do útero. Métodos: Estudo transversal, que contemplou mulheres entre 25 a 64 anos. O risco para um exame alterado foi calculado a partir de quatro critérios: primeira relação sexual antes dos 18 anos; mais de quatro parceiros sexuais ao longo da vida; história anterior de doença sexualmente transmissível; mais de três partos. As análises foram efetuadas utilizando-se os testes Qui-quadrado de Pearson, razão de prevalência (RP) e Regressão de Poisson com variância robusta e intervalo de confiança (IC) de 95%. Resultados: A amostra foi composta por 479 mulheres, das quais 30% apresentaram alto risco para um exame citopatológico alterado. Constatou-se que as mulheres com baixa renda (RP = 1,12; IC95%: 1,04-1,21), com percepção negativa da própria saúde (RP = 1,13; IC95%: 1,06-1,20), que faziam uso de tabaco (RP = 1,14; IC95%: 1,05-1,23) ou álcool (RP = 1,09; IC95%: 1,02-1,18) apresentaram alto risco de apresentar um exame alterado, ao passo que a idade elevada (RP = 0,83; IC95%: 0,73–0,95) associou-se à diminuição desse risco. Conclusão: As mulheres jovens, de baixa renda, com percepção negativa da própria saúde e que usavam tabaco ou álcool tinham maior probabilidade de apresentar alterações no exame citopatológico do colo do útero.

Palavras-chave


Mulheres; Neoplasias do colo do útero; Grupos de risco; Prevenção primária; Comportamento sexual.

Texto completo:

PORT ENG


DOI: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v8i0.2330

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175