Estresse no cotidiano de graduandos de enfermagem de um instituto federal de ensino

Leni de Lima Santana, Walkiria Denipotti Beljaki, Mariangela Gobatto, Rafael Haeffner, Milena Hohmann Antonacci, Jane Aparecida Pereira Buzzi

Resumo


Objetivos: identificar os níveis de estresse e caracterizar a sintomatologia entre discentes de graduação em enfermagem de um
Instituto Federal de Ensino. Método: Estudo descritivo transversal cuja coleta de dados ocorreu por meio da aplicação do
Inventário de Sintomas de Estresse de Lipp e de um questionário sociodemográfico elaborado pelos pesquisadores. Os resultados
foram analisados por meio de estatística descritiva. Resultados: A análise evidenciou que 73,7% dos alunos apresentavam algum
nível de estresse, com destaque para sintomas na fase de resistência. Os sintomas predominaram entre acadêmicos
autodeclarados pardos (80,0%), provenientes de escolas públicas (74,3%), não cotistas (74,1%), repetentes (83,3%) e entre
acadêmicos que não trabalham formalmente (73,8%). O desfecho foi associado às variáveis independentes: tipo de cota (p =
0,019), período letivo (p = 0,003) e uso de medicamentos (p = 0,04). Quanto à sintomatologia apresentada, predominaram os
sintomas de caráter psicológico, apresentados por 50% da amostra. Conclusão: todos os períodos do curso avaliado apresentaram
estresse em nível variado o que merece a atenção por parte da instituição e do corpo docente no sentido de rever as metodologias
adotadas, bem como propor ações que visem o bem-estar e o desempenho acadêmico.

Palavras-chave


Enfermagem; Estudantes de Enfermagem; Estresse Psicológico; Saúde Mental.

Texto completo:

PORT ENG


DOI: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v8i0.2738

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175