Autoeficácia do aleitamento materno em puérperas de uma maternidade pública do nordeste brasileiro

Floriacy Stabnow Santos, Rafael Cruz Souza, Paula Gabrielle Gomes Candido, Leonardo Hunaldo dos Santos, Livia Maia Pascoal, Marcelino Santos Neto

Resumo


Objetivo: Verificar associação entre variáveis de contextos sociodemográfico e obstétrico com a autoeficácia em amamentar de puérperas residentes no Nordeste brasileiro. Método: Estudo transversal quantitativo realizado em maternidade pública de referência, com 160 mulheres que estavam no puerpério imediato até o 60º dia pós-parto. Dados coletados por meio de entrevistas individuais aplicando-se um formulário para obter informações acerca das características sociodemográficas e obstétricas, além da aplicação da escala de autoeficácia em aleitamento materno, na versão em português. Resultados: Mulheres com idade entre 26 e 35 anos tiveram quase 13 vezes mais chance de praticar alta autoeficácia em amamentar e mulheres com mais de 35 anos tiveram 21 vezes mais chance de ter maior alta autoeficácia. Mulheres que cursaram o ensino fundamental tiveram 39 vezes mais chance de ter maior alta autoeficácia e multíparas tiveram 4,44 mais chance de ter maior alta autoeficácia. Denotou-se que as puérperas tiveram alta autoeficácia para amamentar. Conclusões: A idade materna, a escolaridade, a situação obstétrica mostraram-se estatisticamente significativas para a alta autoeficácia do aleitamento materno, o que demonstra um panorama favorável ao aleitamento materno, sendo necessário acompanhamento do profissional enfermeiro para garantir assistência mais efetiva no apoio à amamentação.

Palavras-chave


Aleitamento Materno; Autoeficácia; Nutrição Materna; Enfermagem.

Texto completo:

PORT ENG


DOI: https://doi.org/10.19175/recom.v10i0.3910

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175